O Instituto Ramacrisna é uma Organização da Sociedade Civil, sem fins lucrativos, sem vínculos religiosos ou partidários, fundada em 1959 pelo jornalista Arlindo Corrêa da Silva, falecido em 1993. A instituição é composta por Conselhos Deliberativo e Fiscal e dirigida por uma Diretoria Executiva.

Há 59 anos, desenvolve projetos culturais, profissionalizantes, aprendizagem, geração de trabalho e renda, esporte e lazer, entre outros, voltados para comunidade em situação de vulnerabilidade social de Betim e 10 cidades do entorno.

Ele se tornou conhecida em todo o Brasil como instituição do Terceiro Setor referência em projetos de autossustentabilidade por possuir uma Fábrica de Telas de Arame e uma unidade para comercialização em Belo Horizonte. O lucro obtido com as vendas é destinado ao setor social do Ramacrisna, garantindo mais autonomia e uniformidade no atendimento às pessoas amparadas pelos projetos.

Visando potencializar as estratégias de gestão da instituição, em 2008, uniu-se a FDC – Fundação Dom Cabral, que está entre as melhores escolas de negócios do mundo pelo ranking da Financial Times. O Ramacrisna ainda coleciona, desde a sua fundação, diversas premiações renomadas, entre elas as mais recentes: o Ranking GPTW – Great Place To Work que seleciona as melhores empresas para se trabalhar no Brasil, estando entre as 10 melhores instituições na categoria Terceiro Setor; o selo “Melhores ONGs” promovido pela Revista Época e Instituto DOAR que leva em consideração critérios como a gestão e transparência da Instituição; o Prêmio Itaú-Unicef na categoria Grande Porte Regional Belo Horizonte, com o projeto “Escola Integral”, que busca o desenvolvimento integral dos alunos, entre outros.


HISTÓRIA

Criado a partir do sonho de vida de Arlindo Corrêa da Silva, o Ramacrisna materializou sua vontade de servir a Deus através do ser humano que sofre. Para isso, o jornalista nascido em Campina Grande na Paraíba, que veio para Minas na década de 40, dedicou esforços na busca altruísta de promover a inclusão social das crianças em situação de vulnerabilidade e abandono.

Ele acreditava que essa transformação somente pode acontecer, através da promoção do ser humano por meio da educação de qualidade, que torna as pessoas livres e senhoras de seu próprio destino.

1Em meados da década de 50, o Prof. Arlindo já se preocupava com o futuro da criança pobre, percebendo a educação como o melhor caminho para se prevenir problemas sociais, tais como marginalidade, abandono e violência, iniciou os trabalhos com 8 crianças levando meninos de rua para sua própria casa em Belo Horizonte.

Em 1959, registrou a Organização Social em Cartório. Espiritualista, o Prof. Arlindo colocou na Obra o nome do filosofo indiano Sri Ramakrishna, ecumenista que viveu o século 19 e pregava o trabalho social como forma de transformação do ser humano.

Com tantas crianças o espaço tornou-se insuficiente, então escolheu Betim, a 50 km de Belo Horizonte e com a participação de amigos comprou alguns lotes e em 1960 iniciou a construção dos prédios. Em 1963 inaugurou o primeiro prédio e no ano seguinte o segundo, que funcionou como internato até o ano de 1992. A partir daí passou a assistir a população dos bairros vizinhos já bastante populosos, e inexistentes quando da chegada da Ramacrisna na região.

O fundador partiu em 1993, mas deixou um Conselho Deliberativo que dirige a Ramacrisna e tem mostrado no correr nesses anos que a semente plantada por ele, deu muitos e bons frutos.

Desde 1999 a Instituição vem desenvolvendo parcerias com as Prefeituras de Betim e Esmeraldas com o objetivo de potencializar suas ações nas áreas de alimentação a baixo custo, aumento do nível de escolaridade, capacitação profissional e assistência social.


AÇÃO INTER INSTITUICIONAL

O Ramacrisna se mobiliza nas participações em redes, conselhos, fóruns, visando o fortalecimento do Terceiro Setor, a articulação entre empresas, poder público e organizações sociais, potencializando ações e promovendo assim o desenvolvimento sustentável das comunidades vulneráveis.

• FUNDAMIG – Federação Mineira das Fundações, Associações e Instituto de Direito Privado
• Ministério Público de Minas Gerais – CAO-TS – Centro de Apoio Operacional ao Terceiro Setor.
• CEMAIS – Centro Mineiro de Alianças Intersetoriais.
• FECTIPA – Fórum Estadual de Combate ao Trabalho Infantil e Proteção ao Adolescente
• Conselho de Erradicação do trabalho infantil de Betim
• Conselho Municipal de Educação de Betim
• Conselho Municipal de Alimentação de Betim
• Conselho dos Direitos da Criança e Adolescente de Betim
• Rede de Bibliotecas Públicas e Comunitárias de Betim
• Rede Estadual de Bibliotecas Comunitárias Sou de Minas Uai
• Rede Nacional de Bibliotecas Comunitárias


ÁREA DE ATUAÇÃO