Com um repertório que vai da música clássica “Eleanor Rigby”, “O sole mio”, à MPB, “Asa Branca”, “Eu só quero um xodó”, “Maria Maria”, dentre outras, a Orquestra Jovem Ramacrisna, irá se apresentar no dia 05 de junho, às 11h, no Museu de Ciências Naturais da PUC Minas. O evento, aberto ao público, faz parte do projeto Concertos Dominicais Peter Lund, uma iniciativa da PUC Minas, com apoio do Ministério da Cultura e da Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração.

Sob a Regência do Maestro Eliseu Barros, em junho de 2005 a Ramacrisna criou a Orquestra Jovem com o objetivo de trazer para a realidade das crianças e jovens, em situação de risco pessoal e social da comunidade de Vianópolis, em Betim, com idades entre 9 e 25 anos a beleza do universo da música clássica. Com o projeto, 73 músicos frequentam aulas de teoria musical e prática em instrumentos de cordas e sopro.  Os renomados professores da família Barros, ministram aulas por naipes: Alexandre (sopro), Elias (violino) e Wiliam (teoria musical, baixo, violoncelo) acompanham o Maestro Eliseu na missão de promover o desenvolvimento musical desses talentosos músicos.

Banner_Orquestra

Sobre a Ramacrisna

Criada pelo jornalista paraibano Arlindo Corrêa da Silva, a Ramacrisna desenvolve, há 57 anos, projetos culturais, educacionais, profissionalizantes, de lazer, entre outros, voltados para comunidade em situação de vulnerabilidade social de Betim e 8 cidades do entorno. O nome da instituição é em homenagem ao filósofo indiano Sri Ramakrishna, ecumenista que viveu no século 19 e pregava o trabalho social como forma de transformação do ser humano. Ela se tornou conhecida em todo o Brasil como instituição do Terceiro Setor referência em projetos de autossustentabilidade por possuir uma Fábrica de Telas de Arame. O lucro obtido com as vendas é destinado ao setor social da Ramacrisna, garantindo mais autonomia e uniformidade no atendimento às pessoas amparadas pelos projetos. Visando potencializar as estratégias de gestão da instituição, em 2008, uniu-se a FDC – Fundação Dom Cabral, que está entre as melhores escolas de negócios do mundo pelo ranking da Financial Times. A Ramacrisna ainda coleciona, desde sua fundação, diversas premiações renomadas, como o Prêmio Mineiro de Excelência da Gestão das Entidades do Terceiro Setor, promovido pela SEPLAG – Secretaria de Planejamento e Gestão de MG e o 1º lugar do Prêmio Objetivos de Desenvolvimento do Milênio – Educação de Qualidade para todos, do Governo de Minas. Somente em 2015, a instituição atendeu 146.418 pessoas em sua sede e em parceria com o Poder Público.